quarta-feira, 25 de março de 2015

Enriquecendo o Vocabulário

Dia desses eu estava com a Alice no sofá e ela subiu no meu colo falando:

- Dezulive. Dezulive, mama*.
- Quê?
- Dezulive. Dezulive, mama. Pode falar Dezulive?
- O quê?
- Dezulive! Eu "podo" falar Dezulive?
- Eu "posso" falar.
- Eu posso falar? Posso falar Dezulive?
- Ahn... Deus o livre?
- É! Dezulive! Posso falar Dezulive, mama?
- Pode, filha. Quem te ensinou?
- A vovó que fala "Dezulive!"
- É, ela fala.
- Quero mamar**, Dezulive! Dá mamá**? Dezulive!
- Vem mamar.
- Dezulive! Mamá! Dezulive!

Bom, aprender, ela aprendeu. Só falta entender o contexto para usar a expressão. E que não seja me pedindo para mamar, né? Dezulive!

*"Mama" sou eu, a Mamãe. **Mamá/mamar é no peito, porque aqui a gente ainda tá nessas de aleitamento materno em livre demanda e recomendo muito.

***
Trilha Sonora: Música gospel, porque eu não escolho a trilha sonora dos colegas de trabalho.

domingo, 22 de março de 2015

101 em 1001: Atualizando #4

Essa atualização está uma vergonha, porque não cumpri nenhuma meta nova e estou mais "pretendendo" do que de fato fazendo. 
Refiz 2 que já tinha riscado da lista e só estou mantendo em andamento as que já comecei e são para cumprir ao longo dos 1001 dias. Olha só:

13- Ir ao cinema.
Pretendo ir para ver Cinderela com a Alice. Tô apaixonada pelos trailers que saíram.

Não era bem exótico, mas foi uma mistura diferente. Deixei o Douglas escolher pra mim e ele veio com um suco de laranja, mamão e morango. Gostoso. Então, meta cumprida pela segunda vez.

23- Marcar uma consulta com um clínico geral para pedir exames completos de tudo.
Essa tá encaminhada. Dia 30 vou ao médico e pretendo pedir pra fazer até exame do pezinho. Marquei a consulta por causa de uma fadiga que não passa há meses, um sono que não controlo e um desânimo que não sei de onde vem. Tá atrapalhando toda a minha vida, minha rotina e meu convívio com pessoas que não deveriam estar pagando por nada disso que ando sentindo. Tenho minhas suspeitas, mas prefiro procurar um médico pra resolver isso de uma vez.

24- Dormir antes da 1:00 am de domingo à quinta-feira.
Definitivamente não estou conseguindo cumprir essa meta.

25- Acordar antes das 10:00am todos os dias.

Também só tem funcionado em dias de trabalho. Fora isso... 10:00am é madrugada pra mim.

28- Não tomar refrigerante por 1 ano.

Essa semana passei 5 dias sem beber nenhuma gotinha. Daí no sábado me liberei e tomei uns 2 ou 3 copos. Pretendo continuar com esse esquema até parar de vez e poder completar 1 ano sem beber nada de refrigerante. Vamos ver...

39- Atualizar o blog pelo menos 1 vez na semana.

Acho que tá funcionando, né? Não lembro de ter falhado ainda com essa meta. Mas posso estar enganada e, de qualquer forma, tem muito chão pela frente ainda.

42- Fazer as unhas em casa a cada 15 dias.

Meus dedos anões no Instagram.

Estou cumprindo. Semana passada (retrasada, se considerar que hoje, domingo, já é outra semana) eu lixei, tirei cutícula e pintei as unhas de vermelho. Durou pouco porque o esmalte era velho e abençoado seja o óleo de banana. Depois que descascou, limpei direitinho. E depois que quebrou, cortei tudo certinho. Então tô indo bem com essa meta das unhas. Ponto para as meninas! Ponto!

44- Rir até doer a barriga.
Essa meta já estava riscada, mas como rir nunca é demais, teve também o dia que assisti Toy Story 3 e, mano! como eu dei risada! Chorei de rir em mais de uma cena. Adorei! (depois chorei porque o fim é emocionante, mas vamos focar no riso.)

49- Usar maquiagem pelo menos 1 vez no mês.
Estou cumprindo com menos entusiasmo do que no mês de janeiro, mas continuo firme. O rímel, lápis e batom estão sendo usados pelo menos 1 vez por semana, que já é mais do que a meta. Sombra e blush não tá dando por motivos de pele oleosa no calor do sertão, daí a coisa toda derrete e fica feio.

76- Prestar um novo concurso.

Inscrição feita e paga. Aguardando a prova agora. E que Deus me ajude, porque não tá fácil viver com o meu salário atual.

81- Jogar fora ou doar tudo o que não uso mais.

Fiz uma limpa nas gavetas outro dia. Mandei embora também as bolsas todas que fiquei juntando e nunca mais usei. Próximo passo é fazer isso com os objetos de decoração que estão encaixotados e os xerox da faculdade que estão esperando que eu os leia desde 2005 mais ou menos, ou seja.

91- Pintar o cabelo.

Essa tá precisando ser cumprida com urgência porque, vejam que absurdo: tô cheia de cabelo branco bem no topo da cabeça. 

***

Trilha Sonora: TV ligada, mas não tô vendo nada. Tentei ouvir música, mas a Alice não gosta muito de me ver usando fone de ouvido e precisei tirar tantas vezes pra ela usar também, que acabei desistindo.

domingo, 15 de março de 2015

Minhas Músicas Preferidas da Alanis Morissette

Conheci as músicas da Alanis por influência das minhas amigas, lá em 1998, na 7ª série ainda (que agora se chama 8º ano). Um dia uma delas apareceu com o Jagged Little Pill e começamos a ouvir e ouvir e ouvir e ouvir até que comprei um pra mim e continuei ouvindo e ouvindo e ouvindo...
Hoje em dia já não ouço tanto e nem conheço muito bem o trabalho recente dela, mas continuo amando as músicas mais antigas.
Muitas letras falam diretamente comigo ou por mim, com lições que aprendi sozinha ou refletindo sobre as composições dela. Tipo a letra de Hand in My Pocket, que funciona como um cutucão quando começo a ver só o lado ruim das coisas.

Tá ruim, mas tá bom.

Como faz tempo que não crio listas aqui, vamos lá:


(não em ordem de preferência porque aí seria crueldade demais com o meu coração musical)
  1. Head Over Feet
  2. Ironic
  3. Hand in My Pocket
  4. You Learn
  5. You Oughta Know
  6. Wake up
  7. Everything
  8. Crazy
  9. Hands Clean
  10. Precious Illusions
  11. 21 Things
  12. So Unsexy
  13. UR
  14. Unsent
  15. So Pure
  16. Thank You
  17. No Pressure Over Cappucino
  18. Princes Familiar
  19. King of Pain
  20. That I Would Be Good
(se o player não funcionar, tem link direto pra ele antes da lista O player não funcionou, mas tem link antes da lista, direto pro Grooveshark)

Bonus: O cover de My Humps, do Black Eyed Peas, só pelo senso de humor do clipe e da escolha da música, que não tinha nada a ver com o estilo original da Alanis, mas ela conseguiu transformar numa típica música (melodia) "dela". E, como o legal é ver uma Alanis diferente e rebolativa, não a incluí na playlist para que, quem não viu ainda, veja o clipe mesmo.

Whatcha gonna do with all that ass?

***
Trilha Sonora: Alanis, claro.

segunda-feira, 9 de março de 2015

Whatsapp Web - Como Usar o Whatsapp Direto do Seu Computador

Hoje, fugindo um pouco do centro do meu umbigo, vou dar uma dica marota pra você, leitor comunicativo que tá sempre com o celular na mão pra falar com os amigos no Whatsapp e fica dividindo seus dedos entre digitar no tecladinho do seu celular e digitar no tecladão do seu computador. A dica é: Whatsapp Web. Não é app de terceiros e nem esqueminha xing ling. É coisa oficial.
Vou ensinar:

1 - Veja se o Whatsapp do seu celular está atualizado na última versão. Se não estiver, tente atualizar (google play, etc e tal).


A tela é essa, dentro da Google Play. Se o meu estivesse desatualizado, aqui haveria um botão "Atualizar".

2 - Depois que atualizar, entre no menu principal do Whatsapp, os "três pontinhos" que ficam no alto da tela principal e veja se tem ali a opção Web. Se tiver, selecione.

Tela do meu celular, na versão atualizada do app.

3 - O Whatsapp vai te orientar a abrir no navegador (que tem que ser o Chrome, Firefox ou Opera) do seu computador o endereço web.whatsapp.com (sem o www ou http:// mesmo). Obedeça e abra.

4 - Agora no computador, o site exibirá um QR Code (aquela imagem quadradinha em preto e branco). Pegue o seu celular e aponte para a tela do computador para que a sua câmera leia o código.

5 - O celular e o computador entrarão em sincronia e as conversas do celular ficarão visíveis na tela do computador. Pronto!

A tela que você verá será assim:


Ao lado dos nomes ficam as fotos dos grupos e contatos, exatamente como no celular. Apaguei por questão de privacidade, claro. E não estou na onda do Movimento Brasil Livre, não. Estava respondendo uma pergunta sobre o assunto.

Único problema que encontrei até agora é que o celular precisa estar ligado e com internet ativa para funcionar a versão web. Caso contrário, se o sinal de internet cair ou estiver fraco, ficará aparecendo uma mensagem de que o aparelho não está ativo e você não conseguirá usá-lo até a internet voltar.
Então, vamos supôr que você esqueça seu celular em casa e queira usar o Whatsapp no trabalho, por exemplo. Você até vai conseguir, desde que o celular tenha ficado ligado e conectado à internet.
Fora esse inconveniente, achei bem legal usar. A versão web é bonita e praticamente idêntica à versão mobile, além de ser super simples e rápida para configurar (nem vou dizer instalar porque, na real, não instala nada. Só tem que configurar pra "espelhar" o celular no computador)
Outra coisa que gostei foi a possibilidade de enviar arquivos de fotos e vídeos (não tentei outros formatos) direto do seu computador para os seus contatos. Bem prático por não precisar puxar os arquivos pra nuvem pra depois pegar do computador pro celular ou ter que jogar do computador pro micro SD do celular ou... etc.
Enfim, recomendo.

Se quiser conferir o passo a passo mais técnico, detalhado e oficial, aqui você acessa o site oficial do Whatsapp Web.

***
Estou ensaiando esse post há mais de 1 mês, então é possível que muita gente já esteja usando a versão web. Em todo caso, sempre tem quem não conheça e achei válido divulgar. Aproveitem!


***
Trilha Sonora: Serpente - Pitty. Acordei com ela na cabeça hoje e ainda bem que adoro.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Alice e Seu Vocabulário Surpreendente

Alice sempre me surpreendeu com suas habilidades linguísticas. Ela demorou bastante para aprender a andar, mas começou a falar relativamente cedo e resmungava muito desde bebê (bebê pequena, porque agora ela é bebê grande).
Vira e mexe ela solta uma nova que me deixa de queixo caído ou rolando de rir.
Ontem eu estava sentada no chão quando ela chegou, empurrando um carrinho de boneca:

- Estou indo na parada. Vamos, mamãe? Quer ir na parada comigo?
- Eu quero! *não faço a menor idéia de onde era a tal parada*
- Então vamos! Levante-se, mamãe!

Minha filha de 2 anos e 4 meses falou levante-se. Levante-se! Eu não falo levante-se, não conheço ninguém que fale levante-se. Só uso construções assim quando estou escrevendo e, como ela não sabe ler (por enquanto), sei que ela não aprendeu em livros ou posts meus.
E, falando em livros, ontem também, mais tarde, ela foi vasculhar a prateleira de livros dela. Perguntei o que ela estava procurando e ela me respondeu que queria um livro específico lá que não me lembro e completou com:

- Estou ansiosa para ler esse livrinho, mamãe!

Estou ANSIOSA. Gente.
Olha, não sei a filha dos outros, mas a minha é um encanto e só me dá orgulho.

***
Trilha Sonora: Dois É Ímpar - Unidade Imaginária. "A gente se deixa levar e acaba esquecendo De não esquecer jamais de quem não podia ter partido..."

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Trauma (Não) Dançante

Alice está com 2 anos e alguns meses. Ela adora dançar. Ouve música e começa a balançar o corpinho, meio sem ritmo e ao mesmo tempo cheia de ritmo: o ritmo dela, conforme o corpo pequeno dela permite, conforme a inibição dela deixa, enquanto ela percebe que estamos observando e rindo.
O riso.
Sempre que a vejo dançar ou fazer qualquer outra coisa espontânea e ela se retrai quando nota que está sendo observada, deixo bem claro: "continua, filha! Tá linda!" e sorrio para que ela veja que estou olhando porque gosto e não porque é ridículo (porque, de fato, não é).
Agora, neste exato momento, ela está assistindo a um programa infantil no Discovery Kids e, sempre que ouve um barulho dos instrumentos musicais (é um programa meio musical, tem uma banda, não sei direito), ela começa a dancinha dela, toda animada e desajeitada, exatamente como toda criança faz se não for ensaiada para dançar assim ou assado.
Enquanto a admiro dançando, lembrei de uma cena da minha infância: não sei quantos anos exatamente eu tinha, por volta de 5 ou 6, não mais que isso. Eu estava no aniversário de uma prima minha e, junto de outras meninas da mesma faixa etária, começamos a dançar alguma música da Xuxa que estava tocando. Uma das meninas, acho que minha prima, me falou que eu estava dançando errado, que eu não sabia dançar. Aquilo me deixou constrangida e saí da rodinha. Nunca mais dancei em outras festinhas (só nas festinhas de escola, mas sempre com meses de ensaio e passos decorados com os colegas, sob supervisão da professora).
Passei anos me reprimindo quando ouvia música e queria dançar porque, oras, eu nem sei dançar. Dançar é só ir lá e balançar o corpo como todo mundo faz, como uma criança faz. Mas eu não sei fazer isso. Me disseram que eu não sabia. Então eu não sei e não posso dançar, certo?
Conforme o tempo passou, comecei a beber e isso ajudava na hora de me soltar e dançar. Mas eu sempre tenho a sensação de estar fazendo papel de boba, como se todos fossem bailarinos do Bolshoi Ballet e eu fosse a criança de 4 anos dançando sem o menor ritmo, sem a menor noção do que está fazendo em meio a tantos profissionais e especialistas em movimento corporal.
Acontece que, no fundo, eu sei que não sou assim tão desengonçada. O meu problema não está em braços e pernas descoordenados. Está na minha cabeça, na advertência maldosa que ouvi quando criança e ficou martelando minha memória desde então.
Mais uma vez, como no caso dos traumas sobre o corpo, evito fazer e permitir que façam com a Alice as mesmas coisas que fizeram comigo. Mesmo tendo consciência da origem da minha inibição, não é como um botão de liga e desliga que posso acionar para acabar com a vergonha e sair bailando livre por aí. Leva tempo, envolve álcool sempre que possível, envolve a segurança de estar no meio de uma multidão dançando para que eu não seja o centro das atenções. Mas para a Alice é fácil. É só elogiar e incentivar "Tá linda, meu amor! Você dança muito bem! Continua!" e ela
vai crescer sabendo que pode dançar quando e onde quiser, do jeito que quiser, coordenando ou não os membros do corpo dela, conforme a vontade dela.


Se eu puder vê-la dançando assim, sempre de forma natural, sempre de forma alegre, a Camila de 5 anos de idade estará dançando junto, em algum lugar dentro de mim. Até que, quem sabe um dia, ela resolva sair para dançar com a Alice.


***
The Fresh Beat Band é o programa que ela estava vendo.

***
Trilha Sonora: Fresh Beat Band, Dora Aventureira... Trilha sonora de mãe.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

101 em 1001 - Atualizando #3

Essa atualização está vergonhosa. Só 1 meta alcançada e 3 que já falhei.
Mas vamos lá:

24 - Dormir antes da 1:00 am de domingo à quinta-feira.
Tá bem difícil manter essa meta em dia. Tenho falhado quase todos os dias.

25 - Acordar antes das 10:00am todos os dias.
Em dias que vou trabalhar, cumpro essa mole, mole. Porém, fim de semana e feriado/mini férias (5 dias em casa essa semana por motivos de exaustão e o médico falou que pode, sim, ficar em casa)... Pelo menos 10h30 é meu horário oficial para começar a viver.

39 - Atualizar o blog pelo menos 1 vez na semana.
Esse post deveria ter sido publicado semana passada. Falhei. Mas eu vou me perdoar porque, como disse, ando exausta e, mesmo tentando, tirar 15 minutos para postar foi uma coisa impossível. Então já tenho 1 buraco nessa meta.

42 - Fazer as unhas em casa a cada 15 dias.
Semana retrasada eu consegui pintar de esmalte clarinho, já prevendo que não daria tempo de tirar e passar outro antes dele descascar todo. Ainda bem que me conheço, porque foi exatamente o que aconteceu. Porém, como a meta é de 15 em 15 dias, ainda estou em dia com ela. Vou ver se consigo limpar e deixar a unha respirar por 1 ou 2 dias, pra pintar de novo no fim de semana. Dessa vez pretendo arriscar um vermelhão que eu adoro, mas morro de preguiça porque sei como termina a história.

44 - Rir até doer a barriga.
Essa foi a melhor meta cumprida até agora. Semana passada, no trabalho, uma colega contou um episódio tão hilariantemente constrangedor (ou constrangedoramente hilário?) da vida dela, que chorei de rir, a barriga doeu, minha garganta secou e eu aprendi com a experiência alheia que devo sempre ir ao banheiro quando o intestino pede, sem esperar, sem deixar pra depois. Obviamente não entrarei em detalhes, mas garanto que qualquer um teria rolado de rir tanto quanto eu ouvindo a história triste.

***
Então é isso. Os indícios de fiascos já estão surgindo, como eu esperava, mas não vou desistir (ainda) do projeto. Fiz até uma frescurinha para colocar ilustrando os posts do projeto ou a página, não decidi ainda. Depois vejo.
O fato é que, mesmo com as primeiras falhas, estou gostando da brincadeira. =)

***
Trilha Sonora: Tô vendo MTV Hits aqui e me sentindo uma tiazona velha que não conhece as músicas que os sobrinhos adolescentes ouvem. Tá passando um clipe com uns caras numa arena, tipo gladiadores ou coisa que o valha. Descobri: Fall Out Boy - Centuries.
Agora melhorou: 7 Vidas - Pitty. Conheço e adoro!

sábado, 31 de janeiro de 2015

Blogagem Coletiva: Parece que Todo Mundo Sabe, Menos Eu

Entrei para mais um grupo de blog no fb essa semana. É um grupo bem legal, estilo o Rotaroots, com gente que gosta de aprender os detalhes do mundo dos blogs, que gosta de criar, de debater, de interagir. Não por acaso, o nome do grupo é Blogs Que Interagem.
Lá também tem blogagem coletiva todo mês e, para janeiro, um dos temas propostos foi Parece Todo Mundo Sabe, Menos Eu e, cara, se tem uma pessoa que não sabe fazer coisas básicas, essa pessoa sou eu.

Não lembro onde achei o gif, mas estava voando pela internet.

Quer ver?

1 - Arroz
Já morei sozinha, sou mãe, já fui casada, tenho 28 anos e EU NÃO SEI FAZER ARROZ. Juro. Arroz na panela, método tradicional, ferve água, frita temperinho e coisa e tal. Não rola. Até já consegui fazer umas vezes, mas ficou uma nhaca. Ou ficou duro demais, ou mole demais, ou queimou tudo, ou grudou tudo. Nunca deu certo, então aceitei a derrota e desisti. Na panela elétrica eu faço, mas também não fica grandes coisas.

2 - Tsuru
Parece que essa dobradura é a básica no primeiro dia de aula de origami do curso que eu nunca me inscrevi, mas todo mundo fez. Sempre que eu digo que sei fazer origami de estrela, as pessoas ficam "ooooohhh!!!!" e sempre que as pessoas fazem tão facilmente um tsuru na minha frente eu fico "oooohhh!!!!" porque parece fácil, realmente, mas eu nunca consegui fazer.

3 - Feijão
Repetindo a ladainha do arroz: já morei sozinha, já fui casada, sou mãe, tenho 28 anos e EU NÃO SEI FAZER FEIJÃO. Mas aqui eu tenho uma explicação: eu tenho pânico de panela de pressão. De verdade, ouço o barulho dela pegando pressão e evito entrar ou permanecer na cozinha. Sempre acho que vai explodir, que vou morrer, que vai voar feijão na minha cara e me queimar toda... Então eu simplesmente aceitei a derrota² e desisti de ter uma panela de pressão (até que ganhei uma de uma amiga, mas nunca usei e continuei não fazendo feijão).

4 - Jogar Truco
Fiquei quase 5 anos na faculdade, frequente bares, festas universitárias, repúblicas e nunca aprendi a jogar truco. Na escola ainda, no último ano do Ensino Médio, meus amigos chegaram a me colocar pra jogar uma partida em conjunto com alguém que sabia, pra eu entender a dinâmica da coisa, mas sinceramente? Entendi bosta nenhuma. E pra ajudar, detesto gritaria, então nem faço questão de aprender um jogo que as pessoas costumam se exaltar a ponto de quebrar cadeiras e mesas (não é exagero. Já vi acontecer mais de uma vez).

5 - Matemática
Não tenho vergonha de falar: não sei fazer contas de cabeça. E, mesmo usando os dedos e a calculadora, eu preciso refazer pra ter certeza do resultado. Enfia porcentagem no meio do caminho e pronto, deu-se o desastre. Não entra na minha cabeça e a dificuldade é tanta que qualquer informação que envolva números já bloqueia meu cérebro e a memorização complica. Não tenho certeza, por exemplo, do peso e altura que minha filha nasceu porque, veja só, envolve memorizar uns poucos números. Telefone da minha casa? Não sei. Número do meu celular? Não sei. Número da minha casa? Tenho dúvidas. Daqui uns anos Alice vai saber fazer equação de segundo grau e eu ainda não vou responder com certeza quanto é 8x9.

***
E vocês, o que não sabem e todos sabem? Se quiserem responder nos comentários, fiquem à vontade, mas se postarem nos blogs, deixem os links pra eu poder ver e rir da cara de vocês também falar "noooossa! Como assim, você não sabe fazer isso?!".

***
Trilha Sonora: Tava tocando Gaby Amarantos aqui, mas só porque estou vendo Caldeirão.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Um Bar Educativo

Quando não tenho carona pra voltar do trabalho, pego o ônibus em frente a um bar. Um bar estilo botecão, sabe? Balcão antigão, mesa de sinuca e prateleira com bebidas variadas (e provavelmente já vencidas, porque duvido que um bar consuma tantas garrafas de vodka, conhaque e semelhantes antes que elas vençam). Esse em especial tem o combo salgados deliciosos + atendimento de qualidade + TV com canais variados da Sky.
Pois bem.
Dia desses, como sempre faço, cheguei e pedi minha torta de bauru (ou seria um bauru em massa de torta?) e fiquei por ali, comendo enquanto o ônibus não chegava. O mocinho me atendeu, depois voltou pro banquinho dele e se virou pra TV que estava ligada na TV Escola. Pensei "TV Escola no bar? Devia estar trocando de canal e parou aí pra me atender. Vai colocar no futebol, certeza.". Mas não. Ele sentou no banquinho, se concentrou e ficou vendo o documentário que estava passando.
Agora me diz, naonde que você já viu um bar com uma TV ligada na TV Escola e não em um canal esportivo ou um show de pagode/forró?
Sério, fiquei tão impressionada com o nível cultural do bar e do dono do bar, que até esqueci de ver que documentário era aquele. Até porque, não sou o tipo de pessoa que assiste documentários da TV Escola. Sou do tipo que come salgado barato de boteco pé sujo.


***
Trilha Sonora: Ponteiro - Céu. Música linda, linda. ♥ Fizeram um vídeo para a música, olha que coisa bonita. 

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Como Sua Vida Mudou Em 1 Ano?

Imagem daqui: We ♥ It

Pouco antes do fim do ano, passeando pelo Bloglovin (você ainda não é o meu gReader, mas juro que estou me esforçando e tentando te amar), vi esse post, que perguntava How Has Your Life Changed In a Year? e olhei bem no fundo dos meus olhos (?) e me perguntei: o que você mudou na sua vida em 2014, Camila? Quanto sua vida mudou nos últimos 12 meses?
Daí desviei os meus olhos daquele meu olhar (?) inquisidor e fiquei dias pensando.
Não queria fazer retorspectiva retrospectiva porque não foi mesmo um ano tão legal, cheio de aventuras sensacionais e agitos radicais com uma galerinha do barulho.
Não acho que eu consiga fazer retrospectiva, porque se teve uma coisa que não funcionou bem nos últimos meses, essa coisa foi a minha memória. Até o comecinho de outubro, mais ou menos, eu fiz coisas dignas de uma senhora de 80 anos tomada pelo alzheimer. Sério, dá até um post à parte.
Mas pensando por "setores", vejamos:

Trabalho: quando vim trabalhar aqui, em 2012, foi um choque de realidade complicadíssimo pra mim. Foi opção minha vir pra cá, mas foi um sofrimento enorme até que eu pudesse entender que as consequências seriam cada vez piores se eu permitisse que elas piorassem. No meio de 2013, quando voltei da licença maternidade, depois de 7 meses em casa (6 meses de licença + 1 mês de férias), estava decidida a aceitar as mudanças todas que eu mesma havia procurado. E vi na prática que quando a gente se abre para as mudanças, aceita as consequências e assume os riscos todos, as coisas ficam muito mais fáceis. De verdade.
Parece auto-ajuda barata, mas digo por experiência própria: as pessoas sentem de longe o cheiro do medo e da insegurança e montam com mais violência pra domar o cavalo arisco, que no caso é você (e eu e qualquer um com a postura de atacar antes de ser atacado).
Em consequência dessa minha mudança de postura, tudo mudou naturalmente. Passei a me sentir útil e os elogios vieram junto com a chance de fazer o que eu sei da melhor forma possível pra ajudar o resto da equipe. Então, em 2014, do começo ao fim, pude colher os frutos dessa sábia atitude que tomei. Consegui trabalhar o ano todo com tranquilidade, bom humor, companheirismo, com qualidade e eficiência. Mudou muito e eu mudei mais ainda.

Família: minha família não mudou muita coisa, mas passamos por uns apertos no fim do ano que me fizeram repensar minha postura com relação a todos. Sabe aquela história antiga de só valorizar depois de perder alguém que amamos? Então, quase perdi meu pai, quase perdi meu irmão e, por Deus não chegou a tanto, mas poderia ter perdido toda a minha família num dia só, incluindo minha filha. Tudo o que aconteceu me fez ver que não dá pra esperar pra ser melhor, não dá pra esperar pra perdoar, não dá pra esperar pra ficar mais tempo com eles. Ainda não sou nenhum exemplo de filha ou irmã, não sou nenhum exemplo de amor e gratidão, mas aprendi a agradecer a Deus toda noite (ou quase toda noite, quando eu consigo dormir sabendo que estou indo dormir e não desmaiando até a manhã seguinte). Agradeço pela minha vida, pela minha saúde e pela vida e saúde de toda a minha família, principalmente minha filha. Preciso aprender a dizer "eu te amo" para pessoas que não sejam a Alice. Eu até digo, mas normalmente preciso ouvir primeiro para depois dizer. Fiquei pensando, se eu tivesse perdido alguém, isso me pesaria a consciência pra sempre. Aquela sensação de que poderia e deveria ter dito e feito mais, que poderia e deveria ter sido melhor...
Enfim, família é pra sempre, mas as pessoas não são. 2014 me mostrou isso de um jeito sutil e agora preciso colocar em prática esse ensinamento e esse desejo de ser melhor filha e irmã. E mãe, porque, embora eu me esforce diariamente para ser boa pra Alice e sei lá no fundo que eu sou o melhor que posso, que sou a mãe que ela precisa; sinto também que posso sempre ser melhor.

Amigos: sou o tipo de amiga que fica sendo amiga sozinha, mesmo depois de ter várias provas de que a outra parte da amizade tá distante há tempos. Fui assim por muito tempo, mas agora em 2014 resolvi me afastar de algumas pessoas que há anos dizem que somos amigas mas, na prática, há anos não se preocupam em saber nem como eu estou. Tudo o que passei nos últimos meses, por exemplo, todo o drama que foi minha gravidez, todos os problemas que tive no trabalho nos últimos anos, todas as idas e vindas no meu relacionamento nos últimos 6 anos... tem gente que nem faz idéia de nada disso. E não por falta de "queria conversar, preciso de um conselho, preciso de um ombro". Porque sou também o tipo de amiga que não poupa detalhes e contatos. Se eu preciso e acho que devo, mando e-mail, msg, carta, recado e desabafo em linhas e linhas de drama e chororô. Mas faço isso porque estou sempre receptiva ao chororô alheio também, porque acho que amizade é isso. Além dos bons momentos, tem também o ombro nos piores momentos do outro. Só que, né? Cansei de só eu oferecer e gastar meu ombro, enquanto o outro lado tá pouco ligando se tô num momento difícil, se tenho com quem conversar, se não estou também com os meus problemas. Cansei de ir chorar e não ter resposta ou, quando tenho, a resposta ser "tô sem tempo, mas assim que der, te respondo" e nunca chegar a tal resposta. 2014 foi o ano de esfriar relações. Cansei de ser amiga sozinha.

Fé: 2014 definitivamente foi o ano que descobri minha fé em Deus e senti o poder Dele na minha vida. Foram tantos livramentos, tantos sinais, tantas intuições (que, pra mim, é simplesmente a voz de Deus falando no meu ouvido). Simples assim: eu creio e Ele tem estado comigo sempre.

Amor: faz algum tempo que meu relacionamento se tornou o tipo mais insuportável de relacionamento: aquele que termina e volta. Em partes por culpa minha, que sempre decidia terminar e em partes por culpa dele, que sempre dava os motivos pra eu querer terminar. Foi muita coisa e 2014 foi péssimo pra nós. Brigamos por coisas passadas, por coisas novas, por ciúmes, por falta de tempo, por falta de atenção, por falta de qualidade no tempo juntos, por exigências demais, por responsabilidade de menos, por amizades que não são muito bem vistas... Mas no fim do ano, faltando poucos dias para 2014 acabar, ouvi um conselho que, resumidamente, dizia o seguinte: "faça o que o seu coração mandar. Não perca tempo com mágoas, não perca tempo nenhum, não espere ser tarde demais." E o meu coração disse que a gente ainda pode consertar essas falhas todas, que juntos as coisas se resolverão, que juntos a nossa filha será mais feliz e nós seremos mais felizes e completos. Juntos de verdade, caminhando lado a lado, se apoiando um no outro, se esforçando pelo outro e, principalmente, pela nossa filha. Não é fácil deixar pra trás 6 anos de mágoas acumuladas e mal resolvidas, mas não estava sendo nada fácil também arrastar tudo isso comigo, mesmo nos últimos tempos eu alcançando grandes progressos deixando algumas coisas de lado e evitando pensar em outras. O que quero, de verdade, é melhorar como pessoa e como mãe e sei que vou conseguir melhorar de forma menos dolorosa se tiver o apoio dele, como sempre tive. E quero que ele melhore ao meu lado, como homem e como pai. Quero ajudar e estar por perto quando ele precisar. A felicidade da minha filha depende também da minha felicidade e da felicidade dele. Então, mais prático tentarmos mais prático
sermos felizes os três juntos, como uma família.


Tirinha linda da Ariane. Aqui tem mais: Lovemaltine

Enfim, 2014 foi um ano complicado, mas aprendi muita coisa. A gente sempre aprende alguma coisa quando se dispõe a aprender. Então, vou parar de pensar que foi um ano complicado e começar a pensar que foi um ano de aprendizados. Infelizmente, muita coisa eu aprendi com sofrimento, mas graças a Deus estou de pé, todos que amo continuam ao meu lado e 2015 será (já está sendo) um ano de aproveitar na prática o que aprendi até aqui.
É um pouco tarde pra isso, mas desejo que esse ano seja para todos vocês um ano de aprendizados e experiências boas. Com o sofrimento necessário para valorizar a vida e a leveza na alma para sorrir na hora de colocar tudo na balança e ver o quanto se evoluiu em 1 ano.


***
Trilha Sonora: Não tem, mas eu colocaria aqui alguma coisa como Tente Outra Vez - Raul Seixas se eu gostasse dele e dessa música. Combina com recomeços e formaturas etc e tal.