sexta-feira, 4 de julho de 2008

Voltamos a viver como há dez anos atrás

Hoje todo mundo deve ter sofrido as conseqüências da pane na rede da Telefônica ou, quem não sofreu, pelo menos deve ter ouvido falar.
São Paulo ficou sem internet durante pouco mais de 24hs e, com isso, diversos tipos de serviços foram interrompidos/atrasados/prejudicados.
Eu não trabalho (não mais) com internet. O uso que faço dela é apenas para diversão, manter contato com amigos e o namorado que moram longe.
Como a maioria das pessoas que só se conecta por diversão, fui obrigada a passar o dia "de castigo".
Deve ter tido gente que surtou sem poder ver o Orkut, sem bater papo no MSN, sem ler os e-mails, sem atualizar o blog... Mesmo sabendo que o Orkut não teria novos recados, o MSN não teria quase ninguém on line, a caixa de entrada teria poucos e-mails realmente importantes e o blog, mesmo que atualizado, não teria leitores hoje porque... Estava todo mundo sem internet, oras!
Confesso que tentei atualizar o navegador em busca de sinal umas 10 vezes durante o dia. Mas chegou uma hora em que cansei. Aí peguei uma faca e cortei meus pulsos fiz o que eu costumava fazer há 5, 6 anos atrás, quando eu não tinha o hábito de usar a internet: liguei a TV, escolhi um filme, peguei umas bolachas e me sentei no sofá para ficar um pouco comigo mesma.
Enquanto isso, meu irmão mais novo, já inserido (contra a minha vontade) no mundo virtual, brincava lá fora com os amiguinhos, já que não podiam ficar trocando recados pelo Orkut.
Depois do filme, mais umas duas atualizadas. Nada de sinal. Tudo bem. Fui lavar morangos e ouvir a voz da Céu cantando "menino bonito, menino bonito ai Ai menino bonito, menino bonito ai".
Foi um dia diferente. Tirando uma ligação para falar com o namorado, não falei com ninguém que não estivesse presente no mesmo cômodo da casa que eu.
E nem sei há quanto tempo isso não acontecia. Eu estou quase sempre on line. Se me mandam um e-mail, eu demoro no máximo duas horas para ler e responder. Se alguém quer falar comigo de maneira mais imediata, não me ligam ou aparecem na minha casa: me chamam no MSN.
Há anos que nenhum amigo meu me grita no portão para convidar a bater papo na calçada. Eu nunca me sentei na calçada desta casa onde moro. Mas estou sempre sentada em frente ao PC.
Sem internet, sei que muita gente foi dormir cedo e outros devem ter tido verdadeiros ataques de raiva por serem obrigados a passar tanto tempo off line.
Mas agora eu pergunto: será que não foi hoje o dia em que poderiam realmente ter ficado on line?
Quantos aproveitaram o dia para ler um livro (que não fosse um e-book), visitar um amigo, a avó, uma tia; sentar na calçada e ver o dia passar, escrever uma carta ao invés de mandar um scrap ou e-mail, assistir um filme ao invés de buscar um vídeo pelo Youtube...?
Sei que muita gente vai pensar "Tá falando tanto, mas o sinal mal voltou e ela já correu pra atualizar o blog". É. Verdade. Mas isso é um tentativa de despedida desse excesso de vida virtual.
Afinal, eu me divertia tanto quando passava horas no quarto escrevendo cartas, lendo livros, escrevendo diários e ouvindo música, então, será que eu realmente preciso passar tanto tempo na companhia desse tec tec tec do teclado e click click click do mouse?

***
Trilha Sonora: Não. Tô vendo (ouvindo) o Jô. Mas a Céu continua cantando na minha cabeça. Tipo um pocket show, sabem? rs

*
*
*
Gente! Ficaram sabendo que o Bozo morreu? Aqui, ó.

11 comentários:

Edu Guimarães disse...

Muitas vezes penso igual a você , Mila. Esse tal mundo virtual mudou demais as relações e atividades humanas. Nas ruas de bairros 'classe c' não tem amis molecadas nas ruas jogando bolo, queimada, ou algo do tipo. Tá todo mundo no 'play2' ou no computador. Nas áreas mais pobres não é diferente, não PC em casa, vai pra Lan House.

Tem seu lado bom, como o fato de eu estar agora 'conversando' com vc, mas há tristes mudanças.

Beijo pra vc!

PS: sobre o cabelo, imagino como fica no 14º dia...rss

Di disse...

Nhá, eu não sofro tanto sem net se estiver em casa. No trabalho fico pra morrer de tédio sem net.

Quase não fico online no msn, quase não atualizava o blog, pq ultimamente tenho feito mais isso. Milagre! :p

Nossa, eu amava conversar na calçada. Até me irrita um pouco conversar no msn com pessoas que posso ver pessoalmente sem problemas. Eu amo ver (por webcam quebra o gaio qdo a pessoa tá mto longe) e ouvir as pessoas com as quais converso.

Maria Fernanda disse...

No blog do Antônio e da Ly, falam sobre nostalgia também. E essa tua, me tocou profudamente.
Relembrei das tardes que passei rabiscando a rua com tijolo e jogando conversa fora com as vizinhas... Falando dos "gatinhos", fazendo planos para o primeiro beijo, sonhando com a vida de gente grande.

Hoje, ainda somos vizinhas. Moramos nas mesmas casas, à 21 anos e temos que marcar hora e data para nos encontrar e fazer um chá das cinco.

Os tempos mudam. Infelizmente.

Bel Gasparotto disse...

Sem net eu não piro não, mas sem luz elétrica eu realmente surto. Não fico tanto tempo no msn, não tenho tanto o que conversar com ninguém... mas sem energia pra ouvir música, o bicho pega, kkkk.

Vejo essas mudanças na molecada, eles ficam se falando pela net, enquanto nós, quando tínhamos a idade deles, íamos aos portões pra coversar... triste, triste.

Bjs!

Huguinho disse...

O bom é que tive desculpas para responder aos emails do trampo.
Só quase surtei à noite no primeiro dia da pane porque queria muito atualizar o blog e no outro dia acabei perdendo a animação.

Leonardo Werneck disse...

Putz, é verdade Mila, a gente se deixou envolver pela facilidade e comodidade da vida virtual e esqueceu como era bom conversar horas e horas no portão. Lembro que eu saia pra andar pela praia sempre que chegava do trabalho, hj não. Chego, tomo banho, pego um sanduiche e um suco e vou direto pro MSN, blog, orkut.

Não me imagino sem internet mais, mesmo sabendo que eu paroveitaria melhor o meu dia.

Beijos

Lúcia disse...

Ah, essa pane virtual... me deixou irritada sim, mas fazer o quê? Aproveitei meu tempo e fui trabalhar, terminar umas danças pra apresentação de agosto... e olha, lucrei viu. Normalmente fico super irritada quando passo muito tempo ao computador. Irritada de perder tempo, de perder outras atividades, de perder a luz do sol e as noites bonitas lá fora, de ficar com a bunda quadrada, de deixar de fazer exercícios e encontrar pessoas "tocáveis"... passei um resto de dia bem tranqüilo na verdade: meu trabalho rendeu, vi um filme, saí pra resolver algumas coisas, enfim, me "desintoxiquei" um pouco, estava mesmo precisando...

Mas... o Bozo morreu? Caramba...

Beijos

Lile disse...

Oi!
Aqui em Minas não teve apagão. Eu já tive o meu, quando me propus a passar 4 dias numa fazenda onde nem celular funciona. Descobri que dá pra sobreviver. Mas dóóóóói que é uma coisa. Eu trabalho na net, o dia inteiro. Ficar sem ela significa não trabalhar. É phoda!
Bjo!

Luca disse...

"ficar um pouco comigo mesma"...bom trabalho psicológico. hehee

interessante..eu passei dois meses com a bunda grudada em frente ao pc, fazendo monografia e todo mundo jurava q assim q eu a concluísse eu não iria querer mais saber de comp. até eu achei isso...mas parece mesmo eh q tenho bastante para me atualizar...

Jessica Lara disse...

Tanta coisa que agente perde por tá na frente do pc...
hoje em dia nem sei o que ia fazer se ficasse mais que um dia sem entra na net mais uns tempos atras quando tinha internet discada só entrava fim de semana,
é assim, quando você tem uma coisa disaprende a viver sem, mesmo que já tenha vivido bem sem, depois que acostuma é dificil de largar...

Ultra Violet disse...

Ai o que seria de mim, sem internet aqui no Japão?

Mas, olha, sabe o que eu acho mais interessante nestes posts, além do jeito ácido e hilário que escreves? É a mudança brusca de assunto e a lógica que encadea teus pensamentos. Morro de rir.

Bjs.