sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Nada como um dia copo após o outro

Não há mal no mundo que umas muitas cervejas não possam curar, não é mesmo, minha gente?
Geladinha, na mesa do bar, com os amigos rindo e contando 'causos' e você fica de fogo e lembra que ainda tem que fazer uma prova dentro de ahn... Agora!
Corre! Corre! E você nem leu os livros que precisava!
Aí, entra na sala totalmente zonza, rindo para as paredes e começa a soltar a criatividade.
- Deve ser efeito da cerveja. Vou beber mais vezes antes das provas que eu não tiver estudado.
Parece que o Antônio Cândido entrou no seu corpo e você quase que psicografa a prova.
Mas, calma aê!
Você tá escrevendo sobre qual livro? Uma Abelha na Chuva?! Não, cabeção! A prova é sobre Gaibéus e Vestido cor de fogo!
- Er... Professor, tem outra folha de prova?
Começa tudo de novo.
Antônio Cândido parece que resolveu não colaborar mais com você.
Tudo bem. Use a arte do embromation.
Faça a prova toda sem citar os nomes dos personagens, já que você nem sabe quem são eles. Refira-se a eles como 'o marido e a mulher' e 'os trabalhadores'.
Perfeito!
Fim da prova. Saia derrubando suas coisas e diga adeus!
E, pra fechar com chave de ouro, perca o ônibus e gaste R$ 20,00 com o moto-táxi pra voltar pra sua casa.
Beleza, Creuza!
Noite perfeita! Se você fosse ao show não teria sido melhor.

Há.
Tirando a parte da cerveja com os amigos, o resto foi daquele jeito.
Mas eu já expulsei a adolescente louca de dentro de mim e voltei à realidade.
Até porque, sei que vou casar com o Chris, mesmo... Depois que eu for assistir ao show dele em Paris, claro.

***
Trilha sonora: uma sertaneja que não sei o nome e tá tocando na minha cabeça há horas. "Ah, como eu quero te encontrar novamente...". Cruzes! Isso porque no bar tava tocando Janis Joplin.

8 comentários:

Mike disse...

Hahahahaha...
Muito engraçado
Cervejinha cura tudo, não tenha dúvida!!!!
Achei hilário o lance da música sertaneja... é assim mesmo, por exemplo, a gente sai de uma ópera (pô, super legal!!! música erudita!!!) e daí lembra de um verso de um axé qualquer e fica com aquela timbalada a noite toda na cabeça
Loucura geral!!!
Nossos cérebros adoram uma cafonice.

letícia * disse...

cerveja, vodka, catuaba, jurupinga, gim, vinho, menta...

fazem milagres quando usado em excesso!


beijos*

Laís disse...

Séculos que eu não passo aqui, vergonha de mim.
Psicografar provas é o que há, ou então marcar todas na letra D. Final de ano a gente chuta o balde, não tem jeito.

Quando acaba o suplício??
=**

[P] disse...

Menina, ri um bocado com a história de psicografar a prova!

Espero que já esteja de férias por aí, Mila... até eu, daqui de longe, estou ficando exausta por você. Teus professores não têm compaixão dos seres humanos, não, né?

Beijos pro'cê.

disse...

O Antonio Candido????? Menina, que coincidência falares dele, tenho dormido, acordado, almoçado e tudo mais com ele. Estou pesquisando a linha de estudo dele, Literatura e Sociedade. rs.

Adorei a história. E continue acompanhando Ego que nem novela, mas adianto que eu não faço idéia da continuação. rs.

Quel disse...

Eu usei a arte do embromation...e deu certo.haha.Também era uma prova de Filosofia, então, coloquei nada com nada e tirei 10...rs..Verdade, verdadeira!rsrs

Bruno disse...

Quando eu não sabia fazer a prova de história, eu fazia uns garranchões e escrevia receita de bolo. Sempre dava certo!

reformatorio.blogger.com.br

citadinokane disse...

Será que funciona?
Um amigo meu foi fazer uma prova doidão, ele acabou vomitando na prova... argh!
Cerveja e outros fermentados e destilados de lado, fiz um passeio pelo teu blog, e como diria o presidente Lula: "Estou convencido que devo voltar!"
Beijos,
Pedro