quarta-feira, 21 de maio de 2008

Velha História

"Era uma vez um homem que estava pescando, Maria. Até que apanhou um peixinho. Mas o peixinho era tão pequenininho e inocente, e tinha um azulado tão indescritível nas escamas, que o homem ficou com pena.
E retirou cuidadosamente o anzol e pincelou com iodo a garganta do coitadinho. Depois guardou-o no bolso traseiro das calças, para que o peixinho sarasse no quente. E desde então ficaram inseparáveis.
Aonde o homem ia, o peixinho acompanhava, a trote, que nem um cachorrinho. Pelas calçadas. Pelos elevadores. Pelos cafés.
Como era tocante vê-los no “17”! – o homem, grave, de preto, com uma das mãos segurando a xícara fumegante de moca, com a outro lendo jornal, com a outra fumando, com a outra cuidando do peixinho, enquanto este, silencioso e levemente melancólico, tomava uma laranjada por um canudinho especial...
Ora, um dia o homem e o peixinho passeavam à margem do rio onde o segundo dos dois fora pescado. E eis que os olhos do primeiro se encheram de lágrimas. E disse o homem ao peixinho:
- Não, não me assiste o direito de te guardar comigo. Por que roubar-te mais tempo ao carinho do teu pai, da tua mãe, dos teus irmãozinhos, da tua tia solteira? Não, não e não! Volta para o seio da tua família. E viva eu cá na terra sempre triste...
Dito isso, verteu copioso pranto e, desviando o rosto, atirou o peixinho na água. E a água fez um redemoinho, que depois foi serenando, serenando... até que o peixinho morreu afogado."
(Mário Quintana)
***
Tempos que eu queria postar esse continho do Quintana aqui, mas não estava encontrando ele na internet e, apesar de estar com o livro aqui em casa, estava com preguiça de copiar tudo. Enfim, achei. Na primeira vez que eu li, não cheguei a chorar, mas quase.

***
Trilha Sonora: Playing Your Song - Hole. Não combina nem um pouco com o clima desse post, mas, fazer o quê? É o que estou ouvindo agora.

16 comentários:

♥ Camila disse...

ãiiiii que lindoooo!
é parecido com a história da borboleta!!!!

vou postar um dia no meu blog! =]

beijo

Bel Gasparotto disse...

Tadinho do peixinhoooo! Não cheguei a chorar, não... mas já chorei com um conto do Alcântara Machado, o Gaetaninho. Acho que eu tava na TPM... às vezes sou mulherzinha mesmo, kkk

Bjs!

letícia * disse...

:-D muito meigo


é... hole não tem muito a ver mesmo.


bjo*

Natiih disse...

nossa,lindo esse conto! [:P]
ameeei!
Bjo.

Leonardo Werneck disse...

Uhhm, interessante conto, gostei.
Não conhecia. O título é: velha história mesmo?

beijos

Tay Highway disse...

Lindo conto!
bjos*

Azrael disse...

tiro tantos significados desse texto que eu quase segui teu exemplo.. mas nenhuma lagrima desceu =)

Camilinha disse...

Juro procê, que tô morrendo afogada... alguém, socorro!!!


beijos daqui...

.Ná. disse...

O Meu Passarinho é mesmo um fofo.. seus continhos e poeminhas são as coisas mais tocantes desse mundo.
Bjos

o antiambiente disse...

esse texto me lembrou daquele lance do heráclito, saca? "quando o homem cruza o rio, ele se torna outro homem e o rio outro rio" ou coisa assim. nest caso, o "espaço seco" mudou tanto quanto o peixe.

preciso parar de tomar guaraná natural. aquilo deve ser mesmo alucinógeno...

abraços

Mike disse...

Belo.....................................................

Menina da lua disse...

Lindo conto, igual a todos do Mário Quintana.
E lindo blog, também.

Boa semana.

Edson Marques disse...

Mila,

quem gosta de Quintana tem um quê de especial.

Belíssima alegoria, essa do peixinho.

Mas o final eu mudaria: "e então o peixinho morreu de alegria!"

(Com todo o respeito ao Mário Quintana: fica melhor!)


Abraços, flores, estrelas..

berinjelinha disse...

Caraca, as vezes tb não sei a vibe do post daí post o que to ouvido ou o que eu gosto ou sei lá, qualquer coisa, que de alguma froma me ispirou a escrever....

=***

Huguinho disse...

Magnífico texto!!!!!
Este texto fortalece minha escolha por não ingerir nada que venha do reino animal (somente leite).

Huguinho disse...

Ah, tem o lance também que depois que o mal foi feito sem pensar, às vezes é difícil para concertá-lo depois. Pelo menos é o que eu entendi