quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Incendiando a cozinha - Parte I

Já que a Gabi e a Bel foram solidárias e dividiram comigo a dor de não ser ninguém na cozinha, resolvi contar pra vocês quais foram os meus vexames no reino do fogão.
Até porque, melhor eu mesma contar antes que apareça algum amigo da onça aqui e conte tudo de maneira que acabe com o pouco de dignidade que ainda me resta.
Então, o caso é que eu realmente não sei cozinhar.
E quando eu digo que não sei cozinhar, não me refiro a saber fazer aqueles pratos super elaborados. Não, não. Eu não sei cozinhar mesmo. Nem arroz eu faço.
Tenho histórias memoráveis (para não dizer vergonhosas) sobre a minha relação nada íntima com as panelas. Por exemplo:


Nissin Miojo Quinojo Lámen
Um dia eu estava na casa de uma amiga e íamos para uma festa à fantasia. Como já era meio tarde e tínhamos comido há várias horas, a fome estava batendo.
Na dúvida se encontraríamos algum lugar aberto na rua, a caminho da festa, ela teve a idéia de fazer um miojo. Coisa prática!
Enquanto terminávamos as fantasias daria tempo de ferver a água e, 3 minutos depois, o macarrão estaria pronto e fim de papo. Simples assim, não é mesmo?
Não. Nem tão simples assim.
A água ferveu, minha amiga colocou o macarrãozinho na panela e foi até o quarto fazer alguma coisa. Minutos depois ela gritou "Cá, olha lá o miojo se já está bom."
Opa! A Cá sou eu!
Fui até a cozinha, olhei para a panela, dei uma mexida com um garfo e respondi que "já está bom, sim". Voltei para o quarto e fui acabar de arrumar minha fantasia.
Alguns muitos minutos depois, um cheiro de coisa queimada invadiu a casa. Dei uma clássica fungada na janela para ver se o cheiro vinha da rua, mas não vinha. Lá fora era somente o ar puro de cidade de interior. Foi quando uma luz divina desceu sobre minha amiga e ela perguntou:
- Cá, você desligou o fogo do miojo?
Cá? Quem é Cá?
- Não. Você não mandou desligar. Você disse que era pra ver se estava bom.
- E você viu?
- Vi.
- E estava bom?
- Tava. Tava molinho já.
- ...
Nem vou tentar reproduzir em palavras a cara de ódio que ela fez pra mim.
No final das contas, a fome era tão grande e o tempo tão curto que acabamos comendo o miojo queimado mesmo.
Ela me xingou a noite toda, isso é fato. Mas pelo menos não saímos de casa com fome.
O preço eu pago até hoje quando, em uma rodinha de amigos, surge o assunto culinária (ou coisas do gênero) e ela conta alegremente sobre o dia em que a Cábeçuda queimou um miojo.
A verdade é que até hoje eu não sei muito bem o que aconteceu comigo. Eu estou cansada de fazer miojo na minha casa e nunca dei uma bobeira dessas. Muito pelo contrário! Meu miojo é uma delícia (cheio de entulho de geladeira). Mas naquele dia, sei lá... queimou!

***
Vou aproveitar que a criatividade anda fugindo por aqui e dividir as histórias de (des)culinária em várias partes. Devo ter mais uns 2 ou 3 vexames fatos pra postar.

***
Trilha sonora: Nada. Só umas músicas na minha cabeça.
"(...) Não é avião Não é estrela Aquela é a luz de um disco voador Disco voador (...)" - Disco Voador - Mariana Davies

10 comentários:

Barbara Góes disse...

Graças a Deus sou "bem prendada" na cozinha... hauhauahuaha

:*

Huguinho disse...

háháhá...
Também não sou um exímio cozinheiro. Miojo eu não faço porque não gosto. Sei fazer o suficiente para mim, mais que duas pessoas pode causar transtornos. Hoje, já está mais fácil porque virei vegetariano e qualquer prato com saladas já me supri. Apesar que se quiser incrementar, as saladas podem ser complicadas também.
Abraços!!!!

jessicadeverdade disse...

Olá, muito bom seu blog, adorei saber que n ão sou o único desatre na cozinha que existe no mudo , já que todos a minha volta parecem ser formados em gastronomia...e gostei ainda mais de vc ouvir Mariana Davies, achei tb que fosse a única a ouvir ela tb...rs
té mais

maray disse...

Não somos nós ( eu só cozinho bem vegetariano) que cozinhamos mal. São as pessoas que se expressam mal. Certa vez meu marido me avisou que o escapamento do carro estava pra cair e eu não me preocupasse. Eu não me preocupei. Estava guiando e ele caiu. Nem liguei. Levei uma esculhambada quando cheguei em casa. Pode?! Se era pra eu sair do carro e pegar os restos mortais na rua, devia ter sido explícito! Essa gente...

Camilla disse...

Não fique triste, você não é a única. Eu sou um terror na cozinha e quase todos sabem disso. As minhas amigas costumam rir da minha cara e dizem que desse jeito eu nem posso casar. Mas como vc disse, quando digo que não sei, eu não sei mesmo. Frito um ovo e ele sempre quebra, e arroz então, nem se fala, nunca fiz um.

Miojo é minha especialidade.

Muita força! Quem sabe um dia a gente aprenda, né?!

=)

Bjos

Bel Gasparotto disse...

Já detesto miojo, só como em situações de extrema necessidade... Fiquei imaginando um miojo queimado, kkkkk. Eu heim...

Bjs!

Leonardo Werneck disse...

eu sei cozinhar. Adoro inventar pratos novos...

beijos

Dread disse...

Uma coisa é certo, quando a gente casar, ou contratamos uma cozinheira, ou viveremos em um restaurante por quilo. rs

te amo.

Menina Bonita. disse...

Sabe que também sou bem ruim na cozinha.
As únicas coisa que sei fazer são as frituras e os miojos..do resto,ixiii sai de baixo hahaha!
Adorei o blog ;D


Beijos :*

Di disse...

Queimar miojo... que coisa! hehehehehe...
Eu sei cozinhar arroz, feijão e frito qualquer coisa, só pra não morrer de fome mesmo.