sábado, 5 de janeiro de 2008

Contabilizando

O primeiro, muitos anos atrás, era aquele que chamava todas de namorada e me dava selinhos atrás da porta da sala de aula quando ninguém olhava. Fim de semana ele ia me visitar. Uma vez ele deu um belo de um soco em um coleguinha de classe nosso porque me viu conversando com o garoto na hora do recreio. Não foi nada legal, mas eu achei engraçado. O tempo passou, eu fui embora e quando eu voltei, anos depois, nos reecontramos e continuamos nos beijando atrás da porta da sala de aula. Só que desta vez ele não socou a cara de ninguém.
No intervalo entre a minha volta e nossos encontros atrás da porta, teve um outro. Este foi aquele divertido que se aproximou como amigo e depois tomou conta da situação toda. Tinha um ciúmes exagerado que, no fundo, no fundo... eu bem que gostava. Com ele os beijos eram embaixo da árvore e nas vielas no caminho de volta da padaria. Só que um dia ele quis voltar a ser livre. Quem ama liberta. Eu libertei.
Teve também aquele outro que eu ousei dizer na lata: "quero você". O mais longe que chegamos foi até o cinema e na saída ele me confessou que não conseguia me ver de outra forma que não fosse como amiga. Eu bem que tentei...
Depois teve aquele da balada que me encantou tanto que eu fui "pesquisar" com minhas fontes a fim de conseguir o endereço ou telefone dele. Sem sucesso... Mas não me esqueço do cabelo de pelúcia e o inglês horrível que ele tinha enquanto cantava no meu ouvido. Foi o único que eu beijei dentro de um banheiro de balada.
Também teve aquele que me pegou de surpresa no meio das caixas de mudança e na hora de me dizer adeus, trocou a despedida por um "Eu te amo" e não me deixou ir embora sem um beijo. Após 3 anos de espera, ele finalmente me beijava na portaria do prédio, às 5:57 da manhã. Depois disso, preferiu largar a namorada que estava perto para me jurar amor e fidelidade durante 6 meses através de cartas e ligações interurbanas.
Além destes, foram tantos outros: aquele que tinha gosto de hambúrguer, aquele que eu disse "espera aí que eu já volto" e nunca mais voltei, aquele que era um belo de um canalha traindo a noiva comigo, aquele que estava comigo pensando na ex, aquele que tinha cara de integrante de BoyBand que eu beijei num momento de leseira inexplicável (ou isso ou jogar a culpa na tequila), aquele outro que...
Alguns mais, outros menos importantes.
Engraçado é pensar que o mais importante entre todos esses é exatamente um que eu quase nunca cito. Por um único motivo: é a história que ainda não começou, mas já existe há anos e eu não sei como contar.
Ainda não sei confessar...

***
Trilha Sonora: La Belle de Jour/Girassol - Alceu Valença.
Antes, muita coisa: de Fergie à Eric Clapton, passando por INXS, Maskavo, Macy Gray e Legião, entre vários outros.

12 comentários:

F. S. Júnior disse...

este ficou bem confessional hein? rs

depois olha aqui o link e volta lá na postagem do gamella...
http://www.submarino.com.br/dvds_productdetails.asp?Query=ProductPage&ProdTypeId=6&ProdId=1940496&ST=SR

Mike disse...

pois é... muitos amores
no final, deixou a galera curiosa
Há alguém que mexe com o coração de dona Milla.... quem será?
Investe, observa os sinais....

Luca disse...

Há anos, platonicidade...
O pior é q sempre fica aquele sonho, aquela perfeição da fantasia, daí, qdo realiza, acaba nem sendo grandes merdas.
Mas vai lá, investe. (é esta a leseira?)

Ei, vou te add, depois. Esse post...hahaha
Bjão

Huguinho disse...

O trecho: "...aquele que tinha cara de integrante de BoyBand que eu beijei num momento de leseira inexplicável (ou isso ou jogar a culpa na tequila)..." foi o que mais curti. Por isso que eu não bebo...háháhá
Quantos amores hein!!! Puxa, bem que vc poderia trocar uma idéia com minhas amigas e falr que ficar com amigo não tem problema. Abraços

disse...

Putz, Mila, que passei pela tua vida amorosa, hein? Já sabemos de quase tudo. Falta essa página em branco agora. Espero que vc consiga tirá-la desse branco entediante. :P Boa sorte, moça.

Ps.: Adorei a piadinha suja. Hahahahahahaha.

Gabi disse...

Acho que você deve agir com esse último da mesma maneira que agiu com o que só quis sua amizade. Pega ele pelo cangote e diz "quero você!". Quem sabe não dá certo?
Beijos!

disse...

Mila, presentinho pra ti nos Fragmentos. ;)

Laís disse...

Procurando palavras bonitas pra dizer o quanto gostei do texto.
Poxa, Mila. Me tocou de verdade.
É tão mais fácil falar sobre o que já passou, né?!... Boa sorte, e que essa atual história comece de uma vez =))

Fê Probst disse...

Todos são importantes. De uma maneira ou de outra.

disse...

É legal esse prêmio, né? Achei fofo. :) Que bom que tbm gostaste. Bjs e boa semana, Mila.

letícia * disse...

é cada coisa que passa na nossa vida... e quantos momentos de leseira inexplicável eu já tive na vida.... MUITOS...



bjos*

Lívia Russo disse...

é bom ficar sem ter o que dizer assim né?
Um começo, um vai acontecer e de uma forma inexplicável as outras histórias antes nem parecem mais aquilo tudo o que eram...agora é só o será!
xD~
aaaaaaaaaaaamo seu lugar tbm, acredite!